Tag Archives: Adaptações

O Pequeno Nicolau

7 set

Ficha Técnica

Título Original: Le Petit Nicolas
Duração: 91 minutos
Classificação: Livre
País de origem: França
Diretor: Laurent Tirard
Roteirista: Laurent Tirard, Grégoire Vigneron, Alain Chabt
Gênero: Comédia / Infantil
Estúdio/Distribuidora: Imovision
Ano: 2009
Lançamento no Brasil: 02 de julho de 2010
Elenco: Maxime Godart, Valérie Lemercier, Kad Merad, Sandrine Kiberlain, François-Xavier Demaison, Michel Duchaussoy

—–

Sinopse

Nicolau leva uma vida pacífica, seus pais o amam e ele tem uma turma de amigos pestinhas para aprontar todas. Mas Nicolau ouve uma conversa entre seus pais, o que o faz acreditar que sua mãe está grávida. Ele entra em pânico e imagina o pior: um irmão caçula! Para escapar desse terrível destino, embarca em uma campanha para mostrar aos seus pais que é indispensável. Mas não dá muito certo. Desesperado, ele decide mudar de tática. Nicolau e seus amigos desastrados surgem com diversos planos, mas tudo muda de figura quando encontram um amigo que acabou de ganhar um irmão caçula e descreve todos os aspectos positivos de ser o mais velho. Transformado, ele corre para os pais feliz por ter um irmão. Mas uma última surpresa aguarda o pequeno Nicolau.

O filme é baseado na séries de livros escritos pelos franceses Goscinny e Sempé.

—–

Minha Opinião

Assisti esse filme no final do semestre passado, na aula de francês. Pelo que a professora falou, os livros “Le Petit Nicolas” são o equivalente francês das nossas revistinhas da Turma da Mônica. Não posso afirmar porque ainda não li Le Petit Nicolas, mas, pelo filme, posso dizer que é mais ou menos isso mesmo.

O filme é inocente (mas não é bobo, que fique bem claro) e engraçado; mostra aquela infância inocente que me parece em grande parte perdida. As crianças hoje em dia parecem já nascer sabendo de tudo, mas na época em que o filme se passa era diferente. O modo como um filho único, acostumado a ser o reizinho da casa, lida com a idéia de ter que dividir os pais com um bebê, oscilando entre desespero e felicidade, é muito bem apresentado no filme.

Uma coisa que as sinopses não dizem, mas que eu acho muito interessante é como a história começa: a professora de Nicolau manda a turma fazer uma redação dizendo o que cada um quer ser quando crescer. A turma inteira começa a escrever imediatamente, mas Nicolau não sabe o que escrever e a professora, ao perceber que ele ainda não havia escrito nada, diz que é “muito fácil decidir o que fazer quando crescer” e ele, em pensamento, responde prontamente que não tem nada de fácil nisso. E é a partir disso que toda a história se desenrola.

Ele é classificado como filme infantil, mas é, na verdade, um filme para a família inteira assistir (todos juntos e com pipoca e brigadeiro, de preferência).

Anúncios

O Último Mestre do Ar

5 set

Ficha Técnica

Título Original: The Last Airbender
Duração: 103 minutos
Classificação: 10 anos (BRA)
País de origem: Estados Unidos
Diretor: M. Night Shyamalan
Roteirista: M. Night Shyamalan
Gênero: Fantasia / Aventura
Estúdio/Distribuidora: Paramount Pictures / Nichelondeon Movies
Ano: 2010
Lançamento no Brasil: 20 de agosto de 2010
Elenco: Noah Ringer, Dev Patel, Nicola Peltz, Jackson Rathbone, Shaun Toub, Aasif Mandvi, Cliff Curtis, Seychelle Gabriel
Produtores: M. Night Shyamalan, Frank Marshall, Kathleen Kennedy, Sam Mercer, Scott Aversano

Tagline

Quatro nações, um destino.

Sinopse

Ar, Água, Terra, Fogo. Quatro nações unidas pelo destino até que a Nação do Fogo inicia uma guerra brutal contra as outras. Um século se passou sem que houvesse qualquer esperança de acabar com essa destribuição. Divido entre combate e coragem, Aang descobre que ele é o Avatar, aquele que tem o poder de manipular os quatro elementos. Aang se junta a Katara, uma Dominadora da Água, e ao irmão dela, Sokka, para restaurar o equilíbrio do mundo deles.

Baseado no desenho da Nickelondeon, “O Último Mestre do Ar” é a primeira parte da luta de Aang por sua sobrevivência.

Minha Opinião

Existem filmes que são feitos para uma faixa etária específica, mas acabam agradando a todas as outras, e filmes que só agradam verdadeiramente aquela a que se destinal. “O Último Mestre do Ar” se encaixa na segunda opção. O filme não é ruim, mas também não é excepcional. As charadas são um tanto óbvias e qualquer pessoa com um pouquinho mais de idade (ou mais acostumada a esse tipo de filme) logo entende o que aconteceu e é perfeitamente capaz de adivinhar o que vai acontecer (mesmo que seja segundos antes da cena começar).

Eu assisti em 3D e foi a primeira vez sai do cinema com a impressão de que não fez diferença alguma e que, se tivesse visto em 2D, a “experiência” teria sido exatamente a mesma. Infelizmente, as cenas nas quais o 3D teria feito diferença e talvez até mesmo dado mais emoção ao filme não foram bem aproveitadas nesse aspecto. De qualquer modo, eu gostei das cores: são fortes, mas não excessivamente brilhantes.

O filme foi baseado no desenho “Avatar” (e aproveito a deixa para confessar que, logo que começaram a divulgar Avatar – o filme do James Cameron – eu achei que seria a adaptação do desenho), mas como nunca assisti o desenho, não posso dizer se a adaptação foi bem feita, mas preciso elogiar o fato de que, apesar da possibilidade de uma continuação, o filme realmente acaba. Não é aqueles filmes que parece que cortaram a história pela metade de qualquer jeito e você fica se perguntando pelo resto do filme quando a tela do cinema fica preta e os créditos começam. Não. O final deixa espaço para a continuação sem parecer inacabado.

—–

Trailer | Site Oficial

Como Perder um Homem em 10 Dias

24 jul

Ficha Técnica
Título Original:
How To Lose a Guy in 10 Days
Duração: 116 minutos
Classificação: 12 anos
País de origem: Estados Unidos
Diretor: Donald Petrie
Roteiristas: Kristen Buckley, Brian Regan, Burr Steers (Baseado no livro de Michele Alexander e Jeannie Long)
Gênero: Comédia romântica
Estúdio: Paramount
Distribuidora: UIP
Ano: 2003
Lançamento no Brasil: 25 de abril de 2003
Elenco: Kate Hudson, Matthew McConaughey, Kathryn Hahn, Annie Parisse, Adam Goldberg, Thomas Lennon, Michael Michele, Shalom Harlow, Robert Klein, Babe Neuwirth, Samantha Quan, Justin Peroff, Celia Weston, James Murtaugh, Archie MacGregor
Produtores: Robert Evans, Christinie Forsyth-Peters, Elizabeth Joan Hooper, Lynda Obst, Robin Guthrie Prybil, Richard Vane, Brian Alexander

—–

Sinopse
Benjamir Barry é um executivo publicitário que está competindo com duas colegas de trabalho para uma grande campanha de uma loja de diamantes. Ele faz uma posta com suas concorrentes de que, se ele conseguir fazer uma mulher (que elas escolham) se apaixonar por ele em dez dias, a campanha será dele. A escolhida foi Andie Anderson, responsável pela coluna “Como” de uma revista famosa, que, por sua vez, está escrevendo uma história sobre como perder um homem em dez dias como parte de um acordo com sua chefe para conseguir escrever matérias mais séries. Sem que um saiba o que o outro está fazendo, eles conseguirão cumprir suas partes nos acordos?

—–

Minha Opinião
Eu ADORO esse filme. É uma das minhas comédias românticas favoritas! Quando eu assisti pela primeira vez, parte de mim queria ser jornalista e, por isso, eu me identificava muito com a personagem principal, a Andie (eu queria ser jornalista para ser correspondente internacional ou escrever críticas políticas e sociais, mas morria de medo de acabar em alguma revista adolescente falando o quão bonito era um cara que nem mesmo era bonito), deve ter sido por isso que eu gostei tanto do filme. Mas, o fato é que, mesmo que na época eu já tivesse certeza absoluta do que eu quero ser (que não é jornalista), eu teria adorado o filme porque é muito bom. Como já faz um bom tempo que eu assisti (nota pessoal: lembrar de assistir novamente esse filme!), eu não lembro de todas as cenas com exatidão, mas sei que quase morri de rir na cena do álbum: ela faz um álbum com fotos dela e do Ben e com os “filhos” dele (ela faz aquelas montagens no computador usando fotos dos dois) e mostra para a mãe dele e depois mostra pra ele. Tem muitas cenas engraçadas além dessa também: quando ela o faz ir comprar refrigerante nos últimos minutos do jogo e ele perde os “pontos” da vitória (não lembro mais o esporte); quando ela chega no apartamento enquanto ele está jogando com os amigos e fica fazendo ceninha. A questão é que tudo que ela faz para irritá-lo, ele releva por causa da aposta e ela vai “piorando” as táticas, mas não tem jeito. Cenas que eu acho muito bonitas são as da Andie com a família do Ben, quando eles viajam para a casa dos pais dele. São muito fofas. O final (feliz, obviamente) é bem lindo e fofo também.

—–

IMBd | Trailer | Site Oficial

%d blogueiros gostam disto: